Tudo que você precisa saber sobre a Clubhouse, a mais nova rede social

Nas últimas semanas, uma nova rede social tem se tornado motivo de burburinho na internet. É o Clubhouse, uma rede baseada em arquivos de áudio e na qual só é possível entrar com convite (ao menos por enquanto). Nas últimas semanas, sua popularidade deu um salto após contar com a participação de nomes de peso, como Oprah Winfrey e Elon Musk.

Mas o que é o Clubhouse?
A rede conta com diferentes chats, sobre assuntos variados, nos quais as pessoas enviam mensagem por áudio com comentários sobre os temas discutidos. Você pode tanto participar das conversas quanto somente escutá-las.

A plataforma fundada pelos norte-americanos Paul Davison e Rohan Seth se autodescreve como um “novo tipo de produto social baseado na voz, permitindo que pessoas em todos os lugares falem, contem histórias, desenvolvam ideias e criem amizades ao redor do mundo”.

Uma informação importante é que as conversas não são gravadas nem salvas, segundo a companhia.

Quem pode acessar?
A rede é exclusiva e você só pode fazer parte se receber o convite de um usuário. No seu início, tem feito sucesso entre celebridades, como Oprah, Kevin Hart, Drake, Chris Rock e Ashton Kutcher.

No Vale do Silício, a rede se tornou um tipo de “clube fechado”, no qual o convite para fazer parte da rede se tornou algo sério e dificilmente compartilhado. Mesmo assim, acredita-se que a rede tenha alcançado em dezembro o número de 600 mil usuários.

Polêmica
A falta de registro dos áudios, no entanto, tem se tornado motivo de polêmica. Usuários têm relatado que o fato de as gravações não serem salvas se tornou um argumento para pessoas se sentirem livres para praticar discurso de ódio.

Sobre isso, a empresa disse em nota que condena todas as formas de racismo, discurso de ódio e quaisquer formas de abuso praticadas na plataforma. A rede também disse que irá investigar qualquer violação dessas regras.

Como ser convidado?
Por enquanto, não é possível entrar na rede sem um convite. Segundo a empresa, isso se dá por dois motivos: ela quer criar uma comunidade engajada de forma mais lenta; e quer se preparar para atender números altos de usuários. No site, a empresa afirma: “Estamos construindo o Clubhouse para todos e trabalhando para tornar o app disponível para o mundo o quanto antes”.

 

FONTE: revistapegn.globo.com